Água tônica: qual a melhor para o seu gin tônica?

A água tônica não é uma bebida qualquer. Sua complexidade pode fazer toda a diferença na hora de preparar um gin tônica (veja aqui os melhores gin tônicas de São Paulo!). A fórmula básica leva água, açúcar, soda e sal de quinino (feito com quinina, substância extraída da casca da árvore de cinchona e que gera o amargor característico da bebida). Hoje em dia, porém, são adicionados vários botânicos e quantidades diferentes de gás, que dão características diversas e únicas às marcas.

Há uma tendência forte na Europa, já há alguns anos, de águas tônicas com aromas e sabores apurados, que vão do chocolate à lavanda. Assim, é possível encontrar a tônica que mais harmoniza com seu gin, por exemplo – levando em conta os botânicos de cada um. Para se aprofundar no assunto, leia também nossa matéria Como beber Gin.

Tudo começou da Índia

Popularmente utilizada na Índia como um remédio contra a malária desde o século XVII – devido à presença do quinino, alcalóide que tem propriedades analgésicas e antitérmicas em sua receita -, a água tônica acabou ganhando fama mundial. Levada para a Inglaterra pelos colonizadores ingleses, foi oficialmente patenteada pelos britânicos em 1858, como um refrigerante.

Mas foi ainda na Índia, durante a ocupação inglesa, no entanto, que a tônica ganhou a companhia do gin, na época uma bebida barata e bastante consumida pelos soldados. Dizem que o gin tônica surgiu para disfarçar o gosto forte de um e o gosto bem mais amargo (na época) da outra. 

Logo, porém, a bebida ficou famosa e, ao longo dos anos, ao lado do gin, várias marcas de água tônica foram se tornando cada vez mais sofisticadas e com sabores diferentes. As tônicas também começaram a ser desenvolvidas em versão light, bem menos calóricas. Até por isso, os bartenders tendem a ser bastante seletivos na escolha das marcas de tônica que adicionam aos seus drinks – principalmente no gin tônica (aliás, nós temos o segredo para a gin tônica perfeita, quer? É só clicar).

No Brasil, inclusive, vários bares estão criando sua própria receita artesanal da bebida. Le Jazz Petit, The Juniper 44º e Bar. são alguns que têm uma água tônica própria.


Qual a melhor água tônica?

O bartender paulistano Matheus Cunha, sócio e bartender do The Juniper 44º, elegeu a marca inglesa Fever-Tree como sua preferida. Questionado sobre as marcas nacionais, o especialista explicou que no Brasil não temos tônicas e sim refrigerantes de tônica carregados no açúcar. “Quando se apresentam tônicas artesanais, mais herbáceas e com maior amargor para um consumidor brasileiro, ele acha estranho”, comentou o especialista.

Para Matheus, a água tônica perfeita precisa equilibrar sabor, amargor e carbonatação (gases). Veja abaixo um mini-guia que preparamos com as propriedades de algumas marcas que encontramos no mercado:

Importadas

Fever Tree: Considerada uma das melhores tônicas do mundo. É feita com quinina colhida nas “árvores da febre”, que ficam na fronteira do Congo com Ruanda. Segundo o fabricante, ainda leva na receita água de nascente e botânicos como extratos de calêndula e laranja amarga da Tanzânia. Tem menos borbulhas que a Schweppes e combina com gins mais suaves. A marca, no entanto, lançou uma linha de tônicas aromatizadas com diversos botânicos, que podem harmonizar com seu drink de maneiras bem diferentes.

Fentimans: É amarga e tem bastante gás. Combina com drinks bem tropicais que levam misturas de cítricos ou frutas, mas seu sabor em nada se assemelha às águas tônicas encontradas por aqui. Talvez por isso, ainda não seja esteja à venda no Brasil.

 

 

Nordic Mist: Tem sabor bastante amargo e é considerada uma tônica de qualidade mais baixa por quem entende do assunto. É, no entanto, bastante popular na Espanha, onde o consumo de gin-tônica é altíssimo. Apesar do nome remeter ao norte europeu, essa tônica é fabricada pela Coca-Cola. Ela tem uma versão mais sofisticada que se chama “Blue” e o líquido, inclusive, é de fato azul.

Q-tonic: tem sabor levíssimo, é altamente carbonizada e combina com gins fortes e pouco doces. É adoçada com edulcorante e por isso tem bem menos calorias que as outras tônicas.

 

Produzidas no Brasil

Schweppes: Essa tônica, de alto teor gasoso, foi inventada na Inglaterra pela empresa de Jacob Schweppe em 1870 e uma das usadas para ajudar a combater a malária no exército indiano. O empresário, aliás, foi o criador de um sistema de gás carbônico para bebidas que deu origem aos refrigerantes. Também é vendida na versão light.

 

 

Schin: De toque levemente amargo, a água tônica Schin é produzida com o quinino extraído de plantas nativas do Peru. Também é vendida na versão zero.

Antarctica: Com um índice baixíssimo de amargor, a água tônica Antarctica é a mais doce de todas, transferindo esse sabor para o seu drink.

Prata: Os sabores doce e amargo fazem uma ótima combinação. A água tônica Prata possui quantidade equilibrada de gás, causando uma leve sensação de cócegas na língua por causa de suas bolhinhas.

 

 

202
 Desenvolvida pelo chef Marcos Lee, do Bar., a tônica 202 é uma combinação entre o quinino, toques cítricos e flor de sabugueiro. Tem sabor mais amargo do que as demais águas tônicas brasileiras.


Be Pop

A cervejaria Blondine lançou a Be Pop, uma linha de refrigerantes com ingredientes naturais, baixo teor de açúcar e 1/3 das calorias das versões que estão no mercado. Entre as bebidas está uma água tônica com pepino, idealizada para ser usada em coquetéis. É amarga na medida, não contém sódio, tem carbonatação mais baixa e  um bom perfume do pepino. 

 

* Nem todas as tônicas mencionadas nesta matéria estão à venda no Brasil. Procure pelas marcas importadas em empórios ou distribuidoras de bebidas.

 

Comente via Facebook

Comentários

Marcado com ,